Música como profissão ou apenas hobby?

Antes de contratar uma agência de marketing musical existe uma pergunta íntima que todo músico ou banda precisa responder para si: a vida artística é um hobby ou profissão?

Aqui, ao falarmos de músico profissional estamos considerando o cenário da porção média da classe musical que nos primeiros anos da carreira frequentemente divide essa função com outra atividade ou seja, não estamos restringindo o adjetivo ‘profissional’ aos que vivem exclusivamente da música, que até são famosos por isso, e sim estamos falando de uma mentalidade adequada ao mercado. O tal do mindset que no music business vez ou outra a gente escuta falar: um conjunto de crenças e ações condizentes ao objetivo de viver de música.

Náusea do trabalho pesado? Melhor repensar a carreira na música.

Ser bem sucedido na música vai requerer o mesmo nível de esforço para ser bem sucedido em qualquer outra profissão talvez até mais e isso nem todo músico parece entender. Se te dá náusea a ideia de estudar seu instrumento sem cansar, ensaiar muitas vezes por semana, pensar em figurino, tratar de vender shows e colocar a mão no bolso para investir na divulgação da sua imagem, ou seja, para que seu negócio apareça, venda e você tenha renda para pagar as contas como qualquer cidadão no fim do mês, escolha chamar sua relação com seu instrumento de hobby.

Há outro cenário: os que levam o hobby a sério e estão dispostos a investir muito nele. Se esse é o caso da sua banda, sem problema, inclusive é possível tirar um troco com isso. Apenas é importante ter um planejamento adequado e pé no chão a respeito desse objetivo que é diferente do músico que precisa fazer a roda rodar e ter o retorno para o bolso do investimento que fez e por isso necessita de ações de marketing muito mais robustas. 

Mãos no instrumento e pés no chão na hora de traçar objetivos de carreira.

Muita gente ama música, é um excelente instrumentista e consegue guardar essa paixão dentro de uma caixinha. Outros têm na música uma verdadeira convocação e quando esse é o caso não é possível abafar a vontade de ganhar a vida exclusivamente com a arte, pois esse chamado está para além de uma escolha profissional. Vocês sabem do que a gente está falando! 😉

Esses dias assistindo a um trecho das aulas de Rafael Bittencourt num curso de band coaching chamado Rock Tutorial ministrado em uma unidade do Sesc ele deu uma letra importante e que concordamos: se sua banda ainda não é grande, mas você deseja que seja, pense e aja como uma! O guitarrista e fundador do Angra vem há tempos chamando a atenção dos músicos sobre os caminhos da profissionalização em diversas ações e cursos, vale a pena pesquisar o que ele tem ensinado por ai.

Rafael Bittencourt, guitarrista e fundador do Angra é um dos defensores da profissionalização dos músicos.

Então, ao passo que seu instrumento está no seu colo, sua bateria está à sua frente, seus pés devem estar no chão com honestidade diante do objetivo que você deseja alcançar com sua atividade musical. 

Gostaríamos muito de saber qual é o caso da sua carreira ou da sua banda e ajudar a traçar uma boa rota. Manda um email para trocarmos ideia de como uma agência de marketing musical como a 1a1 pode te ajudar: contato@agencia1a1.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *