O que é NFT e como isso impacta a música

Indo direto ao ponto, NFT é a sigla para token não fungível. Ela vem do termo em inglês para non-fungible token. Este é um termo que foi adicionado recentemente ao vocabulário da Agência 1a1 e do mundo da música, e, como muitos de vocês, estamos tentando entender melhor sobre este assunto que muitos tem elegido como a salvação da música. Mas, o que é de fato NFT? Vamos tentar conhecer mais sobre isso juntos?

O que é um token não fungível?

Um ativo fungível é algo com unidades que podem ser trocadas imediatamente e, ainda assim, permanecerão com o mesmo valor. Um dos exemplos mais comuns para definir um ativo fungível é o dinheiro.

Um exemplo simples: se você tem uma nota de R$20 você pode trocá-la por outra de mesmo valor, por duas de R$10, quatro de R$5 e assim por diante. Você vai continuar tendo os mesmos vinte reais após a troca.

Ao pesquisar por NFT, um dos primeiros exemplos que você vai encontrar são de pinturas e obras de arte. Uma pintura do multi-artista Abdias Nascimento, por exemplo, possui características únicas que não podem ser comparadas igualmente por uma outra do próprio artista. Mesmo sendo realizadas pela mesma pessoa, cada obra possui elementos que as definem como ímpares.

Obras de artes são um dos maiores exemplos de artigos não fungíveis. Foto por Snow White do Pexels.

O mesmo vale para, por exemplo, um artigo de colecionador, como um carro. É possível que uma pessoa tenha um Fusca e outra também possua um Fusca, de mesmo modelo. As duas pessoas podem ter comprado o carro na mesma loja, no mesmo dia, pelas mãos do mesmo vendedor e pelo mesmo valor. 

Vamos supor que o comprador A cuidou muito bem do seu automóvel e que o comprador B acabou não tendo o mesmo cuidado. Anos depois o comprador A pode ter um item de colecionador super valorizado e o comprador B uma simples lata velha, com destino certo: o ferro velho! 

Antes de entendermos como o NFT se aplica e funciona na música, é preciso entender sobre outro termo importante desse universo digital: blockchain. 


Blockchain: uma explicação simples

Blockchain é uma tecnologia que se assemelha a um grande livro contábil de teor público para que as transações sejam transparentes e acessíveis à consulta de qualquer um, mas, que não permite que ninguém edite as informações ali contidas, o que confere segurança aos dados que são movimentados por blockchain justamente porque os registros não podem ser falsificados.

O Blockchain é, então, uma tecnologia transparente que permite registrar de forma confiável as transações que ocorrem em moedas virtuais, como o Bitcoin, que é a mais conhecida.


E a música com tudo isso? 

Registrar a música em blockchain para que ela se torne única e disponibilizá-la como NFT é um movimento tido como o futuro da vendas da arte no mundo. Se não é algo para salvar a indústria no curto prazo, é, pelo menos, uma nova tendência de negócios.

A desvalorização da música é usada como um forte apoio positivo à ideia do NFT para que os autores nunca percam o devido direito de ganhar com sua própria obra enquanto ela corre pelo mundo. Uma música vendida em NFT pode tirar de cena todos os demais integrantes que poderiam fazer parte da cadeia tradicional de venda como a gravadora ou selo, a distribuidora digital, a editora e todos os demais. Estima-se que mais de 80% da música fique com intermediários e não com os músicos e compositores.

Photo by cottonbro from Pexels

Os ganhos vão direto para o artista e, mesmo que o comprador de um álbum em NFT o venda, a certificação desse álbum o torna algo como um “colecionável negociável”. O NFT também traz em si todo um quê de singularidade. Cada música, álbum, vídeo ou seja lá qual produto de música o artista queira vender em NFT se torna único e exclusivo. Quem compra uma música em NFT sabe e tem a garantia de que ela é a única, a peça original que o artista compôs, porque o NFT é um tipo de certificado de autenticidade.

Resumindo, uma arte, no nosso caso, uma música, um disco, um vídeo em NFT é uma peça única e digital, vendida sob um blockchain e comprada por moedas criptográficas, sendo a mais comum nessas negociações a Etherium. O NFT, por garantir autenticidade da obra, remete pela primeira vez à ideia mais clássica que fazemos de arte: ser única.

Entendemos que a música comercializada em NFT, por hora, não é uma solução que aparece como prática e acessível a todos os artistas. Até o entendimento de como tudo isso funciona não é simples. Ela até pode ser democrática no sentido de que qualquer um pode buscar vender suas músicas por meio de NFT. Mas, muitos passos precisam ser seguidos para que isso aconteça.Nossa expectativa é que empresas que têm assumido a organização de quem vende por NFT criem ferramentas para facilitar seu uso. Por enquanto, o NFT se assemelha muito ao estilo de compra de artigos em galerias de arte. Ou seja, sabemos que não é qualquer pessoa que tem acesso.

No Brasil, os pioneiros das vendas em NFT são André Abujamra, que se coligou ao artista visual Uno para musicar seus quadros digitais e Supla, que vendeu por NFT um vídeo feito para a rede Tik Tok. No exterior, os desbravadores são a banda Kings of Leon, que vendeu seu novo disco em NFT com vantagens especiais que inclui uma espécie de capa de álbum alternativo em movimento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *