‘Zé do Caixão, Zumbi, Lampião’: o impacto da morte do ícone do terror no mundo da música

Zé do Caixão, personagem mais famoso do cineasta José Mojica Marins. (Foto: Reprodução/Facebook)

Essa é a praga do dia. Do ano. Quando a vida de alguém querido se encerra, encerra um pouco da nossa junto e esse é o caso. O encerramento de José Mojica Marins é um incêndio completo numa videoteca e uma perda grande para a música também. Ele morreu nesta quarta (19) aos 83 anos, em São Paulo.  

O ícone do cinema de terror brasileiro foi inspiração para muitas bandas. O coveiro soturno e suas histórias escatológicas e bizarras era mesmo um prato cheio para o mundo do Heavy Metal e da contracultura. Foram feitos um para o outro!

Sepultura e Zé do Caixão

Em ‘Against’ (1998), o Sepultura trouxe José Mojica Marins para recitar um texto existencialista e socialmente atualíssimo na faixa ‘Prenúncio’. Zé é figura que se mistura ao Sepultura em vários trechos da biografia da banda: apresentou e apareceu em shows, topou o desafio de cortar as unhas icônicas em pleno palco e doou uma a Iggor Cavalera diante de centenas de pessoas.  

Corte das unhas do Zé do Caixão

“Zé do Caixão, Zumbi, Lampião” (Roots, 1996) é entoada há 24 anos em todos os shows por uma plateia ensandecida desde o primeiro acorde de ‘Ratamahatta’. No disco de raridades da banda, ‘B-Sides’ (1997), Zé aparece na ilustração da capa. Dois bastiões da cultura brasileira no mundo que sempre andaram juntos. Salve, salve!

Capa do disco “B-Sides” do Sepultura.

Sepultura – Ratamahatta

A banda Cemitério que dedica a carreira a cantar sobre o universo do terror consagrou um disco inteiro ao agente funerário sádico com roupas pretas, cartola, capa e unhas longas. O álbum ‘Oãxiac Odèz’ (2016) é um passeio pelo universo do Zé do Caixão. 

As faixas ‘Olhos da Morte’, ‘Tara Diabólica’ e ‘Oãxiac Odèz’ foram escritas e baseadas no filme ‘O Estranho Mundo do Zé do Caixão’; ‘Ela Voltou (Pra Levar Sua Alma)’ foi inspirada no clássico ‘À Meia Noite Levarei Sua Alma’ e ‘Encarnou no Seu Cadáver’ em ‘Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver’.

Zumbis do Espaço reservaram aparição especial para Zé do Caixão no clipe da música ‘O Mal Imortal’, do disco ‘Em Uma Missão De Satanás’ (2016). A banda Maldita tem um grande clipe que vale a pena ser assistido com participação de Zé para a música ‘Maldito’ do disco ‘Estranhos Em Uma Terra Estranha’ (2016). A canção, claro, é uma homenagem a ele.

Zumbis Do Espaço – O Mal Imortal

Maldita – Maldito (Zé do Caixão)

Maldito, a biografia sobre a vida de José Mojica Marins.

Andre Barcinski e Ivan Finotti, renomados jornalistas musicais, se encarregaram de escrever a biografia, ‘Maldito’ (1998). O primeiro também dirigiu o talk show que o cineasta teve no Canal Brasil.  Na Band, Zé apresentou o Cine Trash onde filmes de terror lado B desfilavam. Dele saiu o CD homônimo (1996), um compilado com músicas de Slayer, Kreator, Alice Cooper, Accept, Black Sabbath, Gangrena Gasosa e outras “desgraceiras”. 

 Os gringos também souberam valorizar o Coffin Joe no mundo da música. Zé do Caixão é nome da faixa do álbum ‘The Divine Art of Torture’ (2003) dos estadunidenses de death metal do Necrophagia que dedicaram a capa do disco ao mestre brasileiro do terror numa arte fenomenal.

Necrophagia – Ze Do Caixao

Fora do universo da música pesada, houve o encontro de Zés: Zé Ramalho e Zé do Caixão em ‘A Peleja Do Diabo Com O Dono Do Céu’ (1979), segundo álbum solo do cantor. Na capa aparecem Zé Ramalho empunhando o violão, no papel de “Dono do Céu”, resistindo à tentação de uma mulher vampiresca, interpretada pela atriz Xuxa Lopes, e seu rival, protagonizado pela figura diabólica do cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão. O cenário é um casarão abandonado em Santa Teresa, no Rio de Janeiro.

O próprio Mojica chegou a compor músicas para um filme seu, ‘Meu Destino em Tuas Mãos’ (1963), que conta o drama de cinco crianças pobres e abusadas que fogem de casa, cru, violento e com aquele tom de neo-realismo involuntário das produções sem dinheiro. Foi um dos primeiros filmes a ter disco no Brasil. Mojica também teve compactos lançados na década de 60. 

O time da Agência 1a1 é superfã do Zé do Caixão e da obra completa de José Mojica Marins que dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes tendo nosso gerente de projetos, Bruno, participado como figurante de ‘Encarnação do Demônio’ (2008), último filme do Zé do Caixão onde o coveiro finalmente fecha sua saga e “encontra a mulher ideal que gera seu filho perfeito”. 

Bruno participando do último filme do Zé do Caixão.

Em 2017, nessa mesma época em que estamos agora, a Agência 1a1 homenageou o mestre com um conteúdo especial de carnaval e preparamos um lyric video para a marchinha de carnaval  ‘Castelo dos Horrores’, de 1969. Zé do Caixão foi fio condutor de samba enredo da escola Independente Tricolor no carnaval paulista em 2018 e é citado noutro enredo da Morro da Casa Verde.

Zé do Caixão – Castelo dos Horrores [Lyric Video] | Marchinha de Carnaval – 1969

É, o Zé tinha dessas. E tantas outras.Transgrediu bastante tendo pouco e, até certo ponto, sim, perdeu a mão em querer chocar a todo custo – é preciso dizer, sem romantizar. Ultrapassou uma ditadura militar que atrasou em 40 anos seu grande sonho de finalizar a trilogia que conta a história do Zé do Caixão.

Meio gente, inteiro gênio.

Foi uma honra fazer parte do Estranho Mundo de Zé do Caixão.

Para esse e outros papos, estamos no contato@agencia1a1.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *